22/05/2012

Problema do Mal


O problema do mal pode ser formulado a partir do seguinte argumento:
P1 - Se Deus existe, não pode existir mal. (se Deus é omnisciente, sumamente bom e omnipotente, então sabe que existe o mal e quer e pode impedi-lo.). 
P2 - Mas existe mal (moral e natural) no mundo.
C - Logo, Deus não existe.
Este argumento é válido (por modus tollens), mas serão todas as premissas verdadeiras?
Parece ser impossível negar a 2ª premissa, pois basta olhar à nossa volta para constatarmos muito mal moral (ou seja, o mal que tem origem nas acções humanas como os assassinatos, torturas, roubos, etc) e muito mal natural (isto é, o mal que não tem origem nas acções dos seres humanos, como terramotos, furacões, alguns tipos de doenças, etc...).
Mas, é possível negar a 1ª premissa e defender que:
Deus existe, mas pode existir mal no mundo.
Ou seja, trata-se de defender que a existência de Deus é compatível com a existência do mal, mostrando razões para Deus permitir o mal no mundo. A este tipo de defesa chama-se "teodiceia".

Quais são as razões para Deus permitir o mal?

1. Deus permite o mal para possibilitar um livre-arbítrio genuíno (isto justifica o mal moral).
  • A ideia é que Deus permite o mal para possibilitar um bem maior: a existência do livre-arbítrio.
  • Sem livre-arbítrio seríamos meros autómatos, robots, sem escolhas próprias.
  • Mas, uma consequência necessária da posse do livre-arbítrio é a possibilidade de praticar o mal, caso contrário não seria genuinamente livre-arbítrio.
  • Se só pudéssemos escolher o bem, nada estaríamos a fazer de extraordinário ao agir correctamente. É porque podemos escolher entre o bem e o mal que somos genuinamente livres e responsáveis.

2. Deus permite o mal para possibilitar um aperfeiçoamento moral (isto justifica o mal natural).
  • Se não houvesse doenças e cheias não teríamos oportunidades para sermos generosos e heróicos, ajudando os nossos semelhantes.
  • De modo a criar seres humanos que fossem criaturas de carácter moral, Deus teve a necessidade de nos colocar num ambiente em que essas qualidades pudessem desenvolver-se: um ambiente com problemas para resolver, com males para enfrentar e superar.
  • Num mundo "perfeito" não existiriam problemas para superar e, assim, não existiriam oportunidades para desenvolver o carácter moral. Não poderia haver algo como a prestabilidade ou a generosidade, já que ninguém precisaria de ajuda.

Uma questão para o leitor: Serão estas razões plausíveis para sustentar que Deus permite o mal???



Gostou deste artigo? Receba outros por e-mail, assine a nossa newsletter. Digite aqui o seu e-mail:

Este artigo, com comentários, encontra-se no seguinte tema: ,

Escreva aqui os seus comentários ao artigo "Problema do Mal":

5 Domingos Faria: Problema do Mal O problema do mal pode ser formulado a partir do seguinte argumento: P1 - Se Deus existe, não pode existir mal. (se Deus é omnisciente, ...
< >