01/05/2011

Filosofia no Cinema | Guião do Filme | Religulous – Que o céu nos ajude








Ficha Técnica

Direcção Larry Charles
Produção Bill Maher, Jonah Smith, Palmer West
País Estados Unidos
Género Documental
Duração 101 Minutos
Ano 2008

Temas filosóficos Filosofia da Religião





Sinopse:
Religulous (uma mistura de 'religião' com 'ridículo') acompanha o comediante Bill Maher ("Real Time with Bill Maher", "Politically Incorrect") na sua viagem a locais de culto religioso em todo o mundo, para entrevistar um vasto espectro de crentes em Deus e na Religião. Conhecido pela sua astuta capacidade analítica e pelo seu empenhamento em não ser agressivo para ninguém, Maher aplica a sua característica honestidade e espírito irreverente às questões da Fé, fazendo-nos entrar numa divertida e provocatória viagem espiritual.

Questões de interpretação:
1. O que procura Bill Maher com as suas entrevistas?
2. Qual é o objectivo do filme “Religulous”?
3. Por que motivo a família de Bill Maher deixou de frequentar a igreja?
4. O que defendem os dois padres entrevistados no vaticano?
5. Qual é a tua cena/entrevista preferida? Porquê?
6. Escolhe dois adjectivos que caracterizem este filme.
7. Aponta um ponto forte e um ponto fraco do filme.


Questões de discussão/debate (tendo em contas as teorias já estudadas):

A) Sentido da vida
Para Bill Maher perguntas como sentido da vida “assustam tanto as pessoas que elas inventam qualquer história e agarram-se a ela. Coisas que eles sabem que não podem ser verdade! Pessoas que normalmente são tão racionais em tudo o resto e depois acreditam que ao Domingo estão a beber o sangue de um deus com 2000 anos”.
1. Que teoria do sentido da vida Bill Maher está a criticar? Será uma boa crítica? Justifica.
2. Concordas que só a fé em Deus pode dar sentido à vida? Porquê?


B) Epistemologia e ética da crença
Na Capela de Camionistas, Raleigh, Carolina do Norte:
Bill Maher – Alguma vez ficaram incomodados por muitas coisas que estão no cristianismo mas não estão na Bíblia? Como Pecado Original, Imaculada Concepção, o dar à luz por uma virgem, que só está em dois evangelhos, papas... não estão preocupados que estas coisas não vieram dos fundadores...?
Crente – É uma questão de fé.
Bill Maher – Porque é que a fé é boa? Porque é que acreditar em algo sem provas é bom?
1. Como responderia o filósofo William James à última questão de Bill Maher?
2. Concordas que é legítimo ter fé sem provas, indícios ou argumentos? Justifica.


C) Fé e Razão
Num monólogo final:
Bill Maher – A fé torna numa virtude o não pensar. Não é nada para se gabarem; e aqueles que ensinam a fé e a elevam são escravizadores intelectuais, mantêm a humanidade presa na fantasia e no disparate, que já justificou tanta loucura e destruição. A religião é perigosa porque permite a seres humanos que não têm todas as respostas, pensarem que as têm.
1. Bill Maher defende que fé e razão estão em conflito. Estaria o filósofo Kierkegaard de acordo com esta teoria? Porquê?
2. Consideras que a fé é uma forma adequada de chegar a algumas verdades? Porquê?
3. Será melhor saber que Deus existe ou ter fé na sua existência? Justifica.


D) Existência de Deus, uma aposta?
Bill Maher pensando em voz alta durante uma viagem...
Bill Maher – Vá lá acredita em Jesus o que tens perder? É como a lotaria. Não se pode salvar se não jogar.
1. Será este um bom argumento para acreditar em Deus? Será melhor acreditar em Deus do que não acreditar? Porquê?
2. Pascal escreveu o seguinte (em Pensées): “Deus existe ou não existe. Mas para que lado nos vamos inclinar [nós que somos tão imperfeitos e ignorantes]? (…) É preciso apostar. Pesemos as vantagens e as desvantagens de apostar na existência de Deus. Calculemos estes dois casos: se ganharmos, ganhamos tudo; se perdermos, nada perdemos. Apostemos então sem hesitar que ele existe”. Concordas? Justifica.


E) Teoria dos mandamentos divinos
Bill Maher entrevistando o Pastor John Westcott sobre o “pecado” da homossexualidade:
Bill Maher – Isto vem tudo da Bíblia?
John Westcott – Certo.
Bill Maher – Que acredita que é a palavra de Deus.
John Westcott – Sim.
Bill Maher – Todas as palavras contra a homossexualidade vêm do Antigo Testamento. Jesus nunca disse nada sobre isso. Se é tão importante porque é que ele nunca falou disso?
John Westcott – Podemos escolher muitas pequenas coisas de que Jesus nunca falou.
Bill Maher – Mas esta é grande.
John Westcott – Deixe-me parar isto tudo. Não estou certo sobre o que é o seu documentário, mas se é para refutar a palavra de Deus, eu não estou interessado.
1. Deve-se realmente condenar a homossexualidade só porque essa é a vontade de Deus (que está no Antigo Testamento), sem se reflectir criticamente nesse acto? Porquê?
2. Enuncia qual é a objecção do dilema de êutifron à teoria dos mandamentos divinos. Concordas com esta objecção? Justifica.


F) Problema do Mal
Bill Maher – Deus é Super-Poderoso pode fazer qualquer coisa, porque é que ele não acaba com o Diabo e, logo, com o mal da Terra?
Crente – Ele vai fazer isso.
Bill Maher – De que é que está à espera?
Crente – Do Final dos Tempos.
Bill Maher – Porquê fazer isso assim, um jogo?
Crente – Não é necessariamente um jogo, um dia são mil anos aos olhos de Deus como diz na Bíblia. Se pensarmos assim, há 2 dias Cristo morreu, mas eu sei que ele tem formas de pensar tão longe das nossas que pode fazer a pior situação para o seu próprio bem.
Bill Maher – E o Holocausto porque é que isso foi bom?
Crente – Deus também tem um plano para isso.
Bill Maher – A sério? Será que pensaria assim se fosse uma das pessoas que estava a ser metida num forno.
Crente – É como explicar a uma formiga como funciona um televisor. As razões de Deus são muito mais elevadas não há maneira de perceber isso.
1. Concordas com a explicação do crente? Porquê? Que resposta daria o filósofo Swinburne à pergunta inicial de Bill Maher?
2. Consideras que o mal (moral e natural) prova que Deus não existe? Justifica.
3. É a existência de Deus (omnipotente, omnisciente, e sumamente bom) compatível com a existência do mal? Porquê?



Gostou deste artigo? Receba outros por e-mail, assine a nossa newsletter. Digite aqui o seu e-mail:

Este artigo, com comentários, encontra-se no seguinte tema:

Escreva aqui os seus comentários ao artigo "Filosofia no Cinema | Guião do Filme | Religulous – Que o céu nos ajude":

5 Domingos Faria: Filosofia no Cinema | Guião do Filme | Religulous – Que o céu nos ajude
< >