06/10/2009

Roger Garaudy e a intersubjectividade


Do livro “A Emergência da Subjectividade em Roger Garaudy” de José Rui da Costa Pinto:

“A noção garaudiana de transcendência aparece ligada a outra dimensão do humano: a sociabilidade. Cada outro é parte de mim mesmo que me habita, me revela o que me falta e me chama a ser, «é a minha transcendência, o que me chama para além dos meus limites individuais, o que me constitui como homem». Habitado pelo outro desde o primeiro momento, o homem só toma consciência de si nas suas relações com os outros. A experiência originante e fundamental do homem está assim assinalada pela presença criadora do outro, pela marca da comunhão. O mesmo é dizer, que a experiência primeira constituinte do homem como homem é a experiência da transcendência, já que «o outro, os outros são minha transcendência». Por tal razão, a primeira certeza e ponto de partida de toda a autêntica filosofia do homem não pode ser o insular cogito cartesiano, mas o comunitário «amamus».”


Cf. COSTA PINTO, José Rui da - A Emergência da Subjectividade em Roger Garaudy. Braga: Publ.Fac.Filosofia, 2003, p. 56.


Gostou deste artigo? Receba outros por e-mail, assine a nossa newsletter. Digite aqui o seu e-mail:

Este artigo, com comentários, encontra-se no seguinte tema:

Escreva aqui os seus comentários ao artigo "Roger Garaudy e a intersubjectividade":

5 Domingos Faria: Roger Garaudy e a intersubjectividade Do livro “A Emergência da Subjectividade em Roger Garaudy” de José Rui da Costa Pinto: “A noção garaudiana de transcendência aparece liga...
< >