25/08/2009

Análise de “O Anticristo”


(Prólogo)
(§ 1)

(§ 2)
Bom -» Poder (auto-suficiência)
Mau -» fraqueza
Fracos -» devem perecer
Cristianismo -» compaixão » fracos e falhados » nocivo
(§ 3)
Tipo de homem (pretendido) -» o de mais alto valor, mais digno de viver…
Tipo inverso -» o cristão » “foi desejado, criado, conseguido; o animal doméstico, o doente animal humano”.
(§ 4)
Tipo superior -» ultra homem
(§ 5)
Cristianismo -» luta contra » o tipo de homem superior.
“ -» tomou partido do: fraco, baixo, falhado.
“ -» fez oposição aos instintos de conservação da vida.
“ -» corrompeu a razão (pecaminosa tentação).
(§ 6)
“Décadence”
-» corrupção do homem
-» humanidade » condensa “valeurs de décadence”
-» [ corrupto ] => Quando se perde instintos
=> Escolhe e prefere o prejudicial
[A VIDA]
- instinto de crescimento
- de duração
- de acumulação de forças
- o instinto de poder
(onde falta vontade de poder -» há degenerescência)
(§ 7)
Cristianismo -» religião da compaixão
-» acção depreciativa (perde a força)
-» desperdício global de vida e energia vital
-» carácter nocivo da vida
-» contradiz a lei da evolução (lei da selecção)
-» negação da vida
-» contradiz instintos de conservação e valorização da vida
Consequências da compaixão:
-» incita ao nada (além, Deus, verdadeira vida, nirvana, redenção, beatitude).
(§ 8)
Teólogo
-» instinto de arrogância
-» “idealista”
-» “…se arroga o direito de olhar para a realidade com superioridade e distância”.
Sacerdote => negador, caluniador, envenenador da vida…
(§ 9)
Teólogo -» posição distorcida e insincera.
[ FÉ ]
-» fechar os olhos perante si mesmo
-» óptica falseada acerca de todas as coisas
-» fabrica-se
> uma moral, virtude, santidade
> boa consciência (falsa visão)
* Exige-se que nenhuma outra óptica possa ter valor.
Teólogo = forma de falsidade = (o que o teólogo experimenta como verdadeiro deve ser falso).
» verdadeiro » o que é mais pernicioso à vida
» falso » tudo o que intensifica, afirma, justifica, e faz triunfar
(§ 10)
Filosofia » corrompida pelo sangue teológico
Protestantismo » hemiplegia do cristianismo e da razão…
Filosofia alemã » teologia insidiosa
-» mundo verdadeiro
-» conceito de moral como essência do mundo
-» aparência » transformara-se em realidade do mundo (inventado, essência)
Kant » êxito de teólogo.
(§ 11)
Crítica a Kant
- “… A «virtude», o «dever», o «bem em si», o «bem como o carácter da impessoalidade e da validade universal» – quimeras em que se exprime a decadência, a debilitação final da vida, a chinesice de Königsberg”.
* Nietzsche » que cada um invente a sua virtude, o seu imperativo categórico.
Kant » imperativo categórico » uma ameaça contra a vida
» prazer como objecção » (décadence)
* Nietzsche » a vida » tem no prazer a prova de ser uma acção correcta.
Kant » contra a natureza como instinto (décadence)
(§ 12)
* Nietzsche
- coloca de lado alguns cépticos – exemplo de decência na história da filosofia
- outros = como as mulherzinhas:
» argumentos = belos sentimento
» divindade = peito erguido
» convicção = critério de verdade
Kant
-» tentou transformar a corrupção em ciência » “tu deves”
(por vezes) Filósofo -» prolongamento do sacerdote » simulação perante si próprio.
Sacerdote » determinava os conceitos de verdadeiro e falso
(§ 13)
(Ao contrário do sacerdote) » Espíritos livre:
- transmutação de todos os valores
- guerra e vitória aos velhos conceitos de “verdadeiro” e “falso”
(Durante milénios) - [ Ciência ] – espírito cientifico:
» profundo desprezo
» inimigo de Deus
»Desprezador da verdade
* Sem ciência = humanidade numa prolongada cegueira
(§ 14)
Nietzsche » mudar nossas concepções (+ modestos) » evolucionismo
Homem
- não descende do espírito, do divino
- repusémo-lo entre os animais
- é o animal mais forte
- não é a coroa da criação (todo o ser se encontra no mesmo grau de perfeição)
- também é o animal mais falhado, doente » o mais perigosamente desviado dos seus instintos
- Mas também o mais interessante…
Louvor a Descartes » compreender o animal como “machina”.
Puro espírito » é uma estupidez pura - (sem sistema nervoso, os sentidos, o invólucro mortal -» ficaríamos com nada).
(§ 15)
[ Cristianismo ] => Nem moral ou religião contactam com a realidade.
-» só caudas imaginárias (Deus, alma, espirito)
-» só efeitos imaginários (pecado, salvação, graça, castigo)
-» um comércio entre seres imaginários
-» uma ciência natural e psicologia imaginária
-» teologia imaginária
Cristianismo = mundo de ficções puras
- falseia, desvaloriza, e nega a realidade
- natural -» desprezível
- tem raiz no ódio contra o natural (a realidade)
- mal-estar perante o real
“…A preponderância dos sentimentos de desprazer sobre os sentimentos de prazer é a causa de uma moral e de uma religião fictícias” » decadénce
(§ 16)
Argumento da projecção
- Deus como projecção de si próprio
- “… projecta-se o prazer que tem em si, o seu sentimento de poder, num ser a quem por isso pode dar graças”.
- Religião = Agradecimento a si mesmo
- Mudar o seu Deus -» quando há necessidade…
Projecção de Deus
-» vontade de poder » deuses de um povo
-» impotência de poder » tornam-se bons
(§ 17)
Vontade de poder em declínio (décadence)
- divindade é castrada nas suas virtude e impulsos viris
- converte-se no Deus dos fracos (mas dizem-se “bons”)
Deus bom e diabo » produto da décadence
Vida ascendente
- tudo o que é forte, valoroso, dominante, orgulhoso
- se se eliminam estes conceitos de Deus » Deus torna-se símbolo para os cansados (Deus dos miseráveis, pecadores, doentes).
Ruína de um Deus » tornar-se coisa em si (metafísica)
(§ 18)
Conceito cristão de Deus
-» Deus degenerado em contradição com a vida
-» ódio à vida, à natureza, à vontade de viver…
(§ 19)
Deus cristão
- produto da décadence
- mórbido e senil
(§ 20)
Budismo => também religião de décadence
-» mais realista que o cristianismo
-» conceito de Deus já não subsiste
-» positivista
-» luta contra o sofrimento e não contra o pecado
-» exclui-se: oração, ascese, imperativo categórico, coação em geral…
-» não existe luta contra os que pensam de outro modo
(§ 21)
Budismo
- liberdade nos costumes
- nenhum militarismo
- castas superiores
Cristianismo
- Instinto dos servos e oprimidos
- castas mais baixas
- casuística do pecado
- auto-crítica
- despreza o corpo, rejeita a higiene como sensualidade
- crueldade para consigo e para com os outros
- ódio com os que pensam diferente
- deixa-se o corpo, quer-se só a alma
- “…Cristão é o ódio contra o espírito, contra o orgulho, a coragem, a liberdade, a libertinage do espírito; o cristão é ódio contra os sentido, contra a alegria dos sentidos, contra a alegria em geral”.
(§ 22)
Cristianismo = bárbaro
- sacrifício do primogénito
- beber sangue na eucaristia
- desprezo pelo espírito e cultura
- tortura
- pompa do culto
(§ 23)
Budismo => mais verídico, mais objectivo
Fé vs Razão (no cristianismo)
“…se a fé é em geral o mais necessário, deve então desacreditar-se a razão, o conhecimento, a investigação: o caminho para a verdade torna-se caminho proibido”.
Continuação do argumento da projecção: “…para que o amor seja possível, Deus deve ser uma pessoa; para que os instintos ínfimos se possam expressar, Deus deve ser jovem (…)”.
Definição de amor: “…é o estado em que o homem vê sobretudo as coisas como elas não são”.
(§ 24)
Cristianismo -» Ampliação do judaísmo
Moral judaico-cristã » pode dizer não a tudo o que na terra representa o movimento ascendente da vida, o são desenvolvimento, o poder, a beleza, a auto-afirmação…
Cristianismo de Paulo » movimento de décadence
Linha sacerdotal
- aspira ao poder (décadence)
- perverte os conceitos de “bem” e “mal”.
(§ 25)
História de Israel -» desnaturalização dos valores da natureza
Javé => expressão da consciência do poder, do prazer e da esperança em si mesmos
- auto-afirmação de um povo - (argumento da projecção)
Sacerdotes -» alteram o conceito de Deus
- felicidade » prémio
- infelicidade » castigo » desobediência a Deus
Moral -» oposição à vida
Moral judaico-cristã -» pecado, bem-estar como perigo, tentação
(§ 26)
Sacerdotes » falsearam o conceito de Deus e moral
- criação de mecanismo de salvação e castigo
Mentira da “ordem moral do mundo” -» que significa?
-» “…que existe, de uma vez por todas, uma vontade de Deus, acerca do que o homem deve ou não fazer”.
-» castigo ou recompensa » conforme o grau de obediência
Sacerdote
- abusa do nome de Deus
- é que determina o valor das coisas (“vontade de Deus”)
- é por toda a parte indispensável (em todas as ocorrências naturais da vida); aparece o santo parasita, para os desnaturalizar (“santificar” na sua linguagem)
- “…tudo o que tem o seu valor em si é transformado, graças ao parasitismo do sacerdote (ou da «ordem moral do mundo»), em algo fundamentalmente sem valor e contrário ao valor”.
- desvaloriza, profana a natureza
- desobediência a Deus = desobediência ao sacerdote, à lei (recebe o nome de pecado)…
- reconciliar com Deus = sujeição ao sacerdote; só o sacerdote “salva”; sacerdote vive dos pecados.
(§ 27)
Cristianismo => cresceu num terreno falso » rancor mortal contra a realidade
O Cristianismo nega a Igreja
Jesus » insurreição » contra a hierarquia da sociedade
» contra a ordem dominante » criminoso político
=> Foi pela política que Jesus foi parar à cruz
- morreu pelo seu pecado (não por ter morrido pelos pecados dos outros)
(§ 28)
Tradição » histórias de santos » literatura ambígua
(§ 29)
Tipo psicológico do salvador “…a beatitude na paz, na doçura, no não-poder-ser-inimigo…”
(§ 30)
Ódio instintivo contra a realidade » consequência de uma extrema capacidade para sofrimento e irritabilidade…
Medo da dor » religião do amor
(§ 31)
Projecção de Deus » criou para si o seu Deus (segundo as necessidades)
(§ 32)
Boa-Nova” -» já não existem antagonismo; Fé que não é adquirida pela luta…
que se vive
Jesus » “Espírito Livre”
(§ 33)
Psi. do Evangelho => falta o conceito de culpa, castigo, recompensa…
Cristão distingue-se por agir diferente.
Definição de cristão como prática.
Jesus » prática de vida » bem-aventurança
Só a prática leva a Deus
-» como se deve viver » para se sentir no céu
(§ 34)
“Reino dos céus” » é um estado de coração
(§ 35)
Jesus “alegre mensageiro” (morreu como viveu)
-» não para redimir os homens
-» mas para se mostrar como se deve viver… (prática de Jesus)
(§ 36)
Igreja vs Jesus
(§ 37)
Igreja -» inimizade mortal a toda a humanidade livre e boa.
(§ 38)
Sacerdote vs Verdade
Conceitos do sacerdote como instrumentos de tortura
(§ 39)
“…existiu apenas um único cristão, e esse morreu na cruz”
“…unicamente a prática cristã, uma vida como a viveu aquele que morreu na cruz, tem algo de cristão”.
Cristianismo » ódio instintivo a toda a realidade » envenena vida e coração
(§ 40)
Destino do evangelho » suspenso na “cruz”
Jesus » contra a ordem
(§ 41)
Como poderia admitir Deus a morte do seu filho?
(resposta absurda) -» para remissão dos pecados (sacrifício expiatório – sacrifício do inocente pelo pecado dos culpados) – paganismo horroroso
Paulo -» acrescentou a doutrina da imortalidade pessoal (recompensa) – impudência rabínica.
(§ 42)
Budismo » não promete » mas cumpre
Cristianismo » promete tudo » mas nada cumpre
=> À “Boa Nova” seguiu-se de imediato a pior de todas: a de Paulo.
“…Em Paulo, personifica-se o tipo antagónico ao do «alegre mensageiro», o génio no ódio, na visão do ódio, na implacável lógica do ódio”.
Paulo vs Jesus
Paulo:
- inventou para si uma história do cristianismo primitivo
- falsificou a história de Israel
- nada ficou semelhante à realidade
- mentira de Jesus “ressuscitado”
- a sua necessidade era poder
- tiranizar multidões e formar rebanhos
Maomé -» foi buscar ao cristianismo a invenção de Paulo (meio de tirania sacerdotal, para o arrebanhamento: a fé na imortalidade, doutrina do «juízo»).
(§ 43)
Mentira da imortalidade pessoal
Salvação da alma » o mundo gira à minha volta
Cristianismo » contra o que tem sublimidade
(§ 44)
Paulo » processo de decadência
Cristianismo » arte de mentir santamente
(contradição) -» “…«Não julgueis»! dizem eles, mas mandam para o inferno tudo o que se encontra no seu caminho. Ao deixarem Deus julgar, são eles próprios que julgam; ao glorificarem a Deus, é a si mesmos que glorificam”.
(§ 45)
Pôr na boca do Mestre…
Paulo » o maior de todos os apóstolos da vingança
(§ 46)
Cristão sacerdote » critério de valores
PILATOS » única figura que se deve honrar no Novo Testamento.
- “O que é a verdade?”
(§ 47)
Deus » crime contra a vida -» Negação de Deus
Cristianismo (não aflora da realidade) -» inimigo da ciência
Religião vs Ciência
Fé -» veto contra a ciência – “…o «Deus» que Paulo inventou, um Deus que «reduz a nada» a «sabedoria deste mundo»”. Paulo quer reduzir a nada a “sabedoria do mundo”.
(§ 48)
Deus vs Ciência
- em Génesis (árvore da sabedoria que não se pode comer)
- grande perigo da ciência
Mulher:
- pela mulher vem todo o mal ao mundo (diz o sacerdote) [ciência também vem dela]
- pela mulher o homem aprendeu a saborear a árvore do conhecimento.
Ciência » pecado original
Única moral -» “não deves conhecer”
(§ 49)
No início da Bíblia está toda a psi. do sacerdote » grande perigo que o sacerdote conhece » a CIÊNCIA
Sofrer » precisa do sacerdote (não de médicos) » precisa de salvação
Sacerdote reina graças à invenção do » PECADO:
- forma de auto-poluição do homem
- para impossibilitar a ciência, a civilização, a elevação da nobreza do homem
(§ 50)
Ser crente -» décadence
-» vontade quebrada de vida
=> Prova de Força -» “a fé salva: logo é verdadeira”.
(§ 51)
Cristianismo -» precisa da doença
Homem religioso » décadent típico
Cristianismo:
- contra os saudáveis
- contra a saúde
Tudo o que sofre » divino
(§ 52)
Cristianismo vs Intelectual (“…o cristianismo opõe-se a toda a boa constituição intelectual”).

- Forma de enfermidade
- Significa: não-querer-saber o que é verdadeiro (dúvida = pecado)
- Proibidos caminhos científicos
Imagens de Deus (criado, carteiro, calendarista)
(§ 53)
Mártires:
- seduziram
- prejudicaram a verdade
- sangue como pior testemunha da verdade
(§ 54)
Grandes espíritos são cépticos.
Homem de fé: é dependente; alienamento de si…
(§ 55)
Convicção » inimigo da verdade
Sacerdote » poder
(§ 56)
Com que fim se mente?
Cristianismo » há apenas fins maus: “…envenenamento, calúnia, negação da vida, o desprezo do corpo, a degradação e autoprofanação do homem por meio do conceito de pecado”.
“Código de Manu”
(§ 57)
Nietzsche opõe-se à revelação e à tradição. Autoridade da lei: Deus que a deu e os antepassados viveram-na.
(§ 58)
Cristãos e anarquistas » décadents (ódio à vida)
Paulo -» ódio contra o mundo
Fé na imortalidade -» desvaloriza o mundo
Conceito de “além” -» mata a vida
(§ 59) a (§62)


Gostou deste artigo? Receba outros por e-mail, assine a nossa newsletter. Digite aqui o seu e-mail:

Este artigo, com comentários, encontra-se no seguinte tema:

Escreva aqui os seus comentários ao artigo "Análise de “O Anticristo”":

5 Domingos Faria: Análise de “O Anticristo” (Prólogo) (§ 1) … (§ 2) Bom -» Poder (auto-suficiência) Mau -» fraqueza Fracos -» devem perecer Cristianismo -» compaixão » fracos e ...
< >